França x Croácia: a batalha de bandas que você respeita

O inglês é uma linguagem mundial, portanto é comum ter artistas cantando e produzindo na língua. Algumas pessoas, cansadas de tanto inglês, preferem ouvir trabalhos em espanhol e em português, tanto brasileiro quanto lusitano. Outras pessoas preferem ouvir algo mais diferente como o italiano, o alemão e até mesmo russo. Já que a Itália não se classificou para a Copa do Mundo e a AlemanhaRussia já deram adeus, o foco deste “especial de línguas” vai para os artistas franceses e croatas.

França Croácia, os países finalistas do mundial 2018, tem duas culturas riquíssimas e não é apenas futebolisticamente falando. Enquanto os jogadores franceses e croatas encantam em campo, a trilha sonora fica por conta das bandas do cenário alternativo. Quer ver? Confere a nossa lista de indicações!

FRANÇA:

Primeira finalista da Copa, a França tem a sua cultura musical baseada em muito jazz e música clássica no geral, porém não se limita a isso. Os franceses adoram um bom rock ‘n roll e tem um pop muito gostoso de se ouvir. Mas, para combinar com o futebol, o estilo escolhido foi o indie rock e suas variações. Abaixo trago cinco bandas para você se apaixonar.

  • La Femme:

Apesar de ser descrito como psyche punk-rockLa Femme se assemelha bem mais ao indie pop tradicional e com uma pegada de synthpop. Ao ouvir essa banda você provavelmente irá lembrar desde CHVRCHES a Portugal. The Man, o que é uma mistura sensacional. La Femme se divide entre músicas cantadas em francês e em inglês.

La Femme é composta por Sacha Got, Marlon Magnée, Sam Lefèvre, Noé Delmas, Clémence Quélennec, Clara Luciani, Jane Peynot, Marilou Chollet eLucas Nunez Ritter. Formada em 2010 em Biarritz, França, a banda possui três EPs e dois álbuns de estúdio.

O álbum mais recente é Mystère, de 2016. Ouça abaixo:

  • Luke:

Formada em 1998 em Aquitaine, França, Luke é uma banda de rock que lembra bastante The StrokesThe Kooks. Atualmente a banda possui quatro membros, Thomas Boulard, Jean-Pierre Ensuque, Damien Lefèvre e Romain Viallon, mas já teve diversas mudanças ao longo dos anos. Um dos efeitos disso é a própria música deles: a banda, que no começo era mais agitada, hoje traz letras melancólicas e tristes e um som mais pesado.

Luke possui dois EPs e seis álbuns de estúdio, sendo o último em 2015. Ouça abaixo:

  • Louise Attaque:

Gosta de folk? Gosta de dreampop? Gosta de Mumford & Sons? Então você vai adorar a Louise Attaque! Formada em 1994, a banda mescla diversas variações do indie e canta quase inteiramente em francês, como manda o roteiro. De quebra, a voz de Gaëtan Roussel lembra a do cantor Oliver Sim, vocalista da banda The xx. Se você gosta de qualquer um desses que eu citei vai amar fazer uma viagem pelos álbuns da banda.

A banda é formada por Gaëtan Roussel, Arnaud Samuel, Robin Feix e Alexandre Margraff possui diversas obras, mas no Spotify apenas quatro estão disponíveis. O último álbum lançado na plataforma é uma coleção que celebra os 20 anos de estrada. Ouça:

  • Indochine:

Essa é para quem gosta de MGMTThe Cure e do synthpop. A voz marcante do vocalista e o uso de sintetizadores destaca a vibe da banda, que no seu início tocava aquele pop bem raiz. Assim como os dois grupos citados, a Indochine fez sucesso para fora de seu país natal e é um dos grupos franceses mais famosos da história.

A banda foi formada em 1981 tem atualmente seis membros, são eles Nicola Sirkis, Marc Eliard, Boris Jardel, Oli de Sat, François Soulier e François Matuszenski. A Indochine possui 12 álbuns de estúdio, além de álbuns ao vivo e compilações. O último álbum foi lançado no ano passado e você ouve abaixo:

  • Mademoiselle K:

Mademoiselle K é uma banda de indie rock fundada em Paris em 2006 por Katerine Gierak (o que explica o nome da banda). O timbre de voz da vocalista, aliás, me faz lembrar da banda Marina & The Diamonds. Apesar de um longo período sem lançar novo material, a banda segue firme nas turnês e shows ao redor do mundo.

Em 2006, Mademoiselle K recebeu o prêmio de banda revelação do rock francês pelo seu álbum de estreia ‘Ça me vexe. Formada também por Pierre-Antoine, Pierre Louis e David Boutherre, a banda possui 4 álbuns de estúdio, sendo o último lançado em 2011. Ouça:

CROÁCIA:

Já na Croácia o que predomina é, definitivamente, o rock e suas variações mais para o hard do que para os movimentos indie.

  • Parni Valjak:

A primeira banda croata da lista é Parni Valjak, uma banda de rock clássico. Muito presa às raízes do rock e ao desenvolvimento da música urbana na Croácia, a banda está em atividade desde a antiga Iugoslávia e ainda possui muitos fãs. Formada em 1975 em Zagreb, a banda já anunciou o fim em 2005, mas retornou em 2009. Atualmente é formada atualmente por Husein Hasanefendić, Marijan Brkić, Berislav Blazevic, Zorislav Preksavec, Dalibor Marinković e Aki Rahimovski.

A Parni Valjak poussi 16 álbuns de estúdios, sendo o último lançado em 2017. Ouça:

  • Hladno Pivo:

A mais pesada da lista toda, Hladno Pivo é uma banda de rockpunk rock formada em 1988 em Zagreb, Croácia. Atualmente a banda tem Zoran Subašić-Zoki, Krešimir Šokec-Šoki, Mladen Subašić-Suba, Mile Kekin e Milko-Deda como membros e é considerada uma das bandas mais famosas do país. Suas maiores influências são RamonesSex Pistols.

A banda possui oito álbuns de estúdio, sendo o último uma coletânia lançada em 2017. Ouça:

  • BOA:

Uma das mais graciosas bandas que eu descobri, a BOA é uma banda de pop rock croata, também de Zagreb. Formada em 1979, atualmente a banda é formada por Mladen Puljiz, Slavko Remenarić, Paolo Sfeci, Zvonimir Bučević e Gojko Tomljanović.

As maiores influências e semelhanças que eu notei foram de David Bowie e seu art rock, a parte experimental do estilo. Há também um pouco de Muse em algumas canções, como nas do álbum Dnevnik putovanja, skice ostanka, de 2006. Ouça-o abaixo:

  • Atomsko sklonište:

Atomsko sklonište é uma banda de hard rock muito conhecida por suas letras fortes e anti-guerra. Formada em 1977 em Pula, Croácia, a banda tem Bruno Langer, Ranko Svorcan e Stjepan Bobić como membros. A sonoridade da banda parece a mistura de bandas como Bon JoviAC/DC. Qualidade, hein?!

  • Aerodrom:

Mais uma de Zagreb, a Aerodrom é uma banda de rock new rock fundada em 1978. A banda fez uma pausa em 1987 e retornou em 2001, e desde então conta com uma formação reduzida. Os membros da Aerodrom atualmente são Jurica Pađen, Tomislav Šojat, Ivan Havidić e Damir Medić. Uma curiosidade sobre ela é que Pađen, o fundador, era da Parni Valjak.

Aerodrom possui oito álbuns de estúdio, sendo o último lançado em 2012. Ouça:

Ufa! Chegando ao fim das duas listas, preciso dizer que a Aerodrom é a minha favorita porque me lembra a banda alemã Kraftklub, uma das minhas bandas preferidas. Porém, eu também gosto bastante da francesa La Femme.

O que eu quero mesmo saber é se você gostou das indicações ou tem alguma coisa a acrescentar, então comenta aí embaixo! Ah, e deixe seu palpite para o jogo. #BudiPonosan🇭🇷

Deixe uma resposta