Dave Keuning, guitarrista do The Killers, deixa de ser o único integrante da banda sem projeto solo

“The Queen’s Finest” é o quarto videoclipe inédito divulgado por Keuning antes do lançamento oficial de seu primeiro álbum solo.

Dave Keuning, fundador e guitarrista do The Killers que até então era o único integrante da banda que não havia lançado projetos paralelos, lançou na última quinta feira (11) o quarto vídeo para música que fará parte de seu álbum solo chamado “Prismism”, com lançamento confirmado para dia 25 de janeiro. Com sonoridade bem anos 80 o primeiro single chamado “Restless Legs” foi divulgado em outubro de 2018, em seguida tivemos o videoclipe de “Prismism”, e em dezembro veio o videoclipe de “Boat Accident”.

 

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto

 

Já não é novidade nenhuma que vai hiato e vem hiato do Killers, algum integrante da banda divulga novos projetos paralelos. Tudo começou em 2010 quando o vocalista Brandon Flowers lançou seu primeiro disco solo, “Flamingo”, e não parando por aí, Brandon também lançou o The Desired Effect em 2015. A partir daí, os outros integrantes (menos Keuning) bem resolvidos e sem perder o comprometimento com a banda indie queridinha, também se arriscaram a assumir e trabalhar em seus próprios projetos com mais liberdade. O baixista Mark Stoermer, além de participar como baixista nas turnês da banda Smashing Pumpkins, realizou as gravações de três álbuns solos assumindo os vocais, “Another Life” (2011), “Dark Arts” (2016) e “Filthy Apes and Lions” (2017). Ronnie Vannucci, o baterista, também fez um experimento e assim como Dave Grohl, deixou as baquetas e assumiu a voz em seus projetos solos nomeado como Big Talk, com os discos “Big Talk” (2011), “Straight In No Kissin’” (2015) e “Time Of Dreams” (2017).

Em 2017 o The Killers lançou o disco “Wonderful Wonderful”, onde todos os integrantes participaram da gravação normalmente, porém, nas turnês o baixista Mark e o guitarrista Dave não estiveram presentes. Na época muitos fãs ficaram especulando a saída dos integrantes, mas a banda afirmou que se tratava apenas de um afastamento dos palcos, mas que ambos ainda fazem parte da banda em estúdio. Mark Stoermer se ausentou dos shows para se dedicar aos estudos novamente, e Dave disse que não estava de acordo para sair em turnê mundial por conta da exaustão que o causaria.

“Todo mundo provavelmente pensa, “Oh, Dave, sempre quis ser o vocalista” e, “Ele deixou a banda para ser…” não, não é exatamente isso. Na verdade, eu não queria fazer uma turnê, então eu tive muito tempo livre e fiz um disco.”, afirmou Keuning em uma entrevista para NME, falando sobre seu álbum e seu futuro no The Killers.

Agora já sabemos o que Dave fez enquanto seus colegas se apresentavam mundo a fora, estava trabalhando para lançar seu primeiro projeto solo, escrito e gravado por ele mesmo em seu estúdio em San Diego, e que iremos conhecer por completo com suas 14 faixas no próximo dia 25 de janeiro.

Conheça o som de Keuning:

 

Quanto ao futuro do The Killers em meio a tantos projetos paralelos entre os integrantes oficiais, sabemos que eles não deixam de trabalhar juntos, então podemos ficar tranquilos para os próximos passos da banda. Desde o final da turnê no segundo semestre de 2018, é evidente que os caras já deram inicio a produção do sexto álbum (contando com uma pista de que o renomado produtor ‪Ariel Rechtshaid esteja envolvido) e Brandon apesar de mostrar vontade em continuar seu último projeto solo, parece estar empolgado mesmo que ainda estejam lidando com a ausência parcial dos dois integrantes.

“O plano é que haja um sexto disco do Killers, mas caramba, eu amo meu último disco solo! Nós só fizemos turnê por alguns meses e depois… minha voz sumiu. Nós só temos que descobrir como fazer isso funcionar para Keuning e Stoermer”, disse Flowers em uma entrevista sobre o futuro da banda.

Com isso, não podemos negar a maturidade e respeito pelo trabalho individual dos integrantes vendo toda essa história do The Killers, em que pessoas apaixonadas por música podem e devem fazer seus experimentos, trabalhando como quiserem e fazendo o som que quiserem sem limitações. Daí percebemos que nem sempre bandas acabam por conta de integrantes tendo liberdade para tomar um rumo diferente se arriscando em carreira solo, e mesmo que aconteça, tudo bem! O que importa é que esses músicos fazem o que amam se dedicando ao máximo com mais autonomia, resultando em bons trabalhos para que nós, grandes admiradores de música, possamos consumir cada vez mais novidades.

E aí, qual o trabalho solo de algum artista que é ou foi integrante de uma banda/duo/boyband/girlband que você curte? Comenta aí 🙂

 

Confira o último vídeo do canal Minuto Indie:

Deixe uma resposta