Bratislava lida com seus próprios demônios e medos no clipe “Fogo”

Música dá nome ao disco mais recente da banda

 

A banda paulistana Bratislava, destaque da cena independente, debate a necessidade de se enfrentar seus medos internos e seus próprios problemas no clipe de “Fogo”. Dirigido por Beto Whyte, o vídeo é um registro intenso para a música que deu nome ao disco lançado pela banda em 2017. O clipe conta com uma atmosfera teatral, na qual o vocalista realiza quase um monólogo de si mesmo e seus demônios interiores. Confira:

Formada em 2010, a Bratislava é um dos sucessos da cena independente nacional. Sua união de poesia e rock alternativo cria uma nova atmosfera na forma de fazer música na contemporaneidade. A banda traz no currículo cinco trabalhos lançados – os EPs “Longe do Sono” e “Aprender a morrer” (com o poeta Victor Rodrigues) e os discos “Carne”, “Um Pouco Mais de Silêncio” e “Fogo”. O último é um registro intenso com a faixa urgente que ganha o vídeo.

“Essa música surgiu de um redemoinho de questionamentos, de conversas nossas aqui na banda sobre direitos humanos, grupos minorizados, lugar de fala. A letra foi se desenvolvendo tomando forma como uma espécie de auto-análise, onde colocamos na mesa questões complicadas, sem resposta. O ‘falar com o fogo’ da letra é uma espécie de ‘colocar o dedo na ferida’. É lidar com assuntos doloridos, pesados, cutucar tabus, falar sobre o que se evita. A gente questiona a validade do nosso discurso, das nossas canções e letras enquanto homens, enquanto héteros, no meio de tantas outras vozes e lutas sociais tão mais relevantes”, reflete Victor Meira, vocalista e compositor.

Além dele, a Bratislava é formada Alexandre Meira (guitarra), Jonas Andrade (guitarra), Zé Roberto (baixo) e Lucas Felipe Franco (bateria). O núcleo da banda e a intensidade de seus questionamentos, presentes na letra e tão atuais em tempos de pós-verdade, foi um dos destaques para a concepção do vídeo.

Foto: Clipe de “Fogo”.

“A música é imponente, instiga pensamentos e questionamentos. Sendo assim, decidimos transparecer essa força através da banda, da explosão dos riffs, e principalmente na expressão do vocalista”, conta o diretor Beto Whyte. Reforça o fato de que “a música também é um instrumento de comunicação, principalmente no contexto atual em que a estética tem sido constantemente sobreposta acima de outros aspectos. Arte e discurso caminham juntos e esse conceito não pode ser deixado de lado”, conclui.

O clipe de “Fogo” começa a despedida da fase do álbum de mesmo nome. Além disso, a banda realizará uma turnê no Nordeste para coroar o trabalho. A gira contará com datas nos festivais DoSol (Rio Grande do Norte) e Ponto CE (Ceará), entre muitas outras.

Deixe uma resposta