‘Músicas para ouvir perdido na floresta’: Conheça o EP de estreia de Jova

‘Músicas para ouvir perdido na floresta’ é fruto de um processo interno e sentimental de Diego Jovanholi, um artista fluminense que se mudou para São Paulo há pouco tempo

Em meio à infinita jornada de autoconhecimento, vivemos em constante mudança. A gente se pega mudando o visual, trocando um objeto de lugar, enxergando algo de um jeito diferente e respirando novos ares para se encontrar. A propósito, quem já se aventurou em uma nova cidade sabe como é a sensação de se perder e se encontrar ao mesmo tempo. Sente vontade de viver mais, de descobrir o que aquele espaço tem de especial, de tirar projetos do papel. O que você faria se estivesse prestes a começar uma experiência em uma nova cidade? Jova decidiu gravar um EP, o ‘Músicas para ouvir perdido na floresta‘.

Jova é Diego Jovanholi, um designer fluminense de 32 anos. Sua vida foi sempre inspirada pela arte, principalmente graças às referências próximas, como a banda dos tios e o Centro Cultural Donana, construído por sua família, em Belford Roxo. Houve um tempo em que ele e os amigos juntaram seus propósitos musicais em uma banda chamada Mazé, e nesse projeto, eles faziam um som que explorava elementos do ska ao samba. Na época, a Baixada Fluminense ainda era muito carente de movimentos culturais, então os artistas não tinham uma diversidade de espaços para tocar, por exemplo. Foi aí que eles criaram o Cine Rock, um evento em valorização a todas as formas de arte.

O tempo passa, e como é de costume, seguimos outros caminhos. Depois de muitas conquistas e experiências boas com a Mazé e com a organização do Cine Rock, Diego deu início a mais uma etapa pessoal. Nos últimos quase 10 anos, sua vida foi orientada pela profissão e pelos estudos na área do design. Entretanto, mesmo assim, durante esse período, o violão continuou por perto e a curiosidade pela música permaneceu viva. No momento certo, a partir de um processo interno, foi voltando a compor canções.

Um processo interno também gera mudança. Quanto mais a gente age, mais a gente se transforma. No caso do Diego, a mudança mais transformadora ainda estava por vir. No fim de 2019, ele se mudou do Rio para São Paulo e, de repente, se viu em um novo lar, longe das raízes familiares e mais perto de se reinventar com a construção de um projeto musical. Logo na semana que chegou na capital paulista, já procurou um estúdio para poder gravar suas composições que, até então, só haviam sido registradas em forma de demo.

Nessa caminhada, ele encontrou o Alencar Martins, do Juá Estúdio. A partir daí, o projeto de Jova começou a tomar forma. As 5 faixas que compõem o EP refletem e desabafam sobre emoções e sentimentos cotidianos. Sua estreia como músico solo é fruto de um processo de experimentação cheio de sinceridade, sobre a maneira que enxerga o mundo e o que acontece ao seu redor.

Capa: Artur Rocha

A chegada a São Paulo te deu frio na barriga, mas coragem e vontade de encarar uma primeira vez. Em meio à sede e ao medo do novo, não teria nome mais significativo para o EP de estreia. ‘Músicas para ouvir perdido na floresta‘ está disponível para audição desde 12 de junho e é composto pelas canções ‘Primeiro andar‘, ‘Eu vou‘, ‘Gaveta‘, ‘Cansado de esperar‘ e ‘. Apesar de as faixas estarem nessa ordem nas plataformas de streaming, Jova recomenda que elas sejam escutadas de uma outra forma, isso porque, juntas, as cinco formam uma narrativa específica, “da perda à descoberta“.

Nesse sentido, ‘Cansado de esperar‘ seria a primeira. Como o título sugere, a canção representa a fadiga de esperar por alguém que já não parece mais acrescentar. O processo de composição dela foi inspirado no que Diego via acontecer ao seu redor: casamentos de amigos próximos sendo rompidos, términos de namoro, relacionamentos frustrados.

O próximo passo é ‘Primeiro andar‘, o rompimento definitivo. Essa foi a primeira canção escrita nessa sua nova fase. No mesmo sentido de ‘Cansado de esperar‘, ‘Primeiro andar‘ retrata o fim de um relacionamento de dois amigos que estavam juntos há muito tempo. Como o contato era intenso, Diego sentiu a dor do rompimento e decidiu, em forma de música, tentar expressar as emoções que captou.

Apesar de soar romântica, ‘Eu vou‘ é o hino do desapego. Dessa vez, os versos são inspirados nas aventuras carnavalescas das amigas, que flertavam no Tinder e marcavam seus encontros nos blocos. Partindo da narrativa construída na ordem que Diego sugere, essa é a fase da alegria, da curtição e da redescoberta de um mundo em que suas vontades estão em primeiro lugar, sem regras e sem amarras.

Gaveta‘ é a terceira faixa do EP, mas ela é a quarta na sugestão de ordem. A canção é uma poesia sonora — com direito à referência ao ‘Poeminho do Contra’, de Mário Quintana — de autoria de Rodrigo Caê, produtor cultural no Rio e amigo de Diego desde que trabalhavam juntos na banda Mazé. No meio do caminho da produção do EP, Rodrigo foi a um evento em São Paulo e ficou na casa do amigo. Lá, ele mostrou alguns acordes de ‘Gaveta‘ que Diego ainda não conhecia, e então decidiram que uma versão dela seria gravada para o ‘Músicas para ouvir perdido na floresta‘, já que ela se encaixa perfeitamente na proposta idealizada. 

‘ seria o fim do ciclo narrado por Jova nesse conjunto de músicas. Essa é um desabafo sobre o sentimento de não ter superado alguém que já seguiu outros caminhos, mas deixou uma marca permanente mesmo após a ruptura do laço afetivo

Em toda a obra, fica evidente a sensibilidade de Diego, como pessoa, e de Jova, como artista, de se enxergar na vivência do outro. ‘Músicas para ouvir perdido na floresta‘ conta histórias que, não necessariamente, foram vividas pelo compositor, mas que poderiam ser experienciadas por qualquer pessoa. Diego diz que não se considera um grande músico ou um exímio violonista, mas é aí que mora a graça da coisa. A arte está em todos os lugares, até nas dores dos dias cotidianos ou no frio na barriga de uma primeira vez. Nossa sorte é saber que, em todos esses lugares, há gente enxergando sentimento.

‘Músicas para ouvir perdido na floresta’, de Jova, na íntegra:

Clique aqui para ouvir no YouTube

Ficha técnica de ‘Músicas para ouvir perdido na floresta’, EP de Jova, gravado em 2020:

Estúdio de Gravação: Juá Estúdio

Produtor Musical e arranjos: Alencar Martins

Mix e masterização: Alencar Martins

Distribuição: Mondé

Capa: Artur Rocha

Mais notícias no Minuto Indie. Curta nossa página no Facebook.

Leave a Reply

Exit mobile version