Trilha Sonora de Séries na Netflix: The Sinner

Continuando a explorar a trilha sonora de séries no catálogo da Netflix, o Minuto Indie adentra o mundo sombrio de “The Sinner”, uma trama que gira em torno de um mistério despertado por uma música

Fãs de séries de mistério foram agraciados com o enredo espetacular da série “The Sinner”, lançada em 2017. Mas para quem é fã de tramas como essa e ainda sucumbe no mundo da música, a história ficou ainda melhor. Tudo começa por causa de uma canção, e nem a protagonista sabe muito bem o porquê. Ficou interessado? Vem com a gente, porque hoje além de uma série envolvente, você pode descobrir músicas que não vão sair mais da sua cabeça.

A primeira temporada de “The Sinner” aborda um mistério que envolve Cora Tannetti (Jessica Biel), uma mulher que aparentemente sem motivo nenhum comete um crime bizarro. Até aí tudo bem, mais um drama que envolve morte, segredos e a busca por respostas. Mas o que realmente se torna intrigante é que a personagem não sabe o que motivou seu ato violento, e a principal pista é uma música.

Em um dia comum na praia com sua família, Cora simplesmente avança em um homem mais tarde identificado como Frankie Belmont (Eric Todd) e o atinge com a mesma faca que há pouco estava utilizando para cortar uma pera para seu filho. Ela confessa o crime e assume a culpa, mas nem ela mesma sabe porque o cometeu. Chamado para investigar o caso, o detetive Harry Ambrose (Bill Pullman) se interessa pela história e começa a ajudar Cora a lembrar o seu passado e descobrir o que deu origem a tudo. Sua primeira pista é a música “Huggin & Kissin”, que estava tocando no momento em que Cora decidiu esfaquear a vítima.

Durante a trama, toda vez que a canção toca, a personagem fica atordoada e ainda mais aflita por não conseguir entender porque uma música a afeta tanto a ponto de cometer atos seriamente violentos. Confira o trailer:

Com o desenvolvimento da série, descobrimos que a música foi fruto de uma banda formada pela vítima, Frankie Belmont, em seus tempos de faculdade. No entanto, a canção realmente existe e é um dos sons da banda Big Black Delta, um projeto solo do vocalista e baixista do Mellowdrone, Jonathan Bates. O instrumental marcante do trabalho combinou perfeitamente com o enredo, e além de render uma história envolvente, nos apresentou o incrível álbum homônimo, lançado em 2013. Se ainda não viu a série, aproveite para checar o clipe do hit pela primeira vez, já que, depois de assistir, a canção nunca mais vai ser apenas mais uma faixa comum para você.

Como é possível perceber, o industrial de Big Black Delta lembra bastante bandas como Nine Inch Nails. E não é por acaso. O criador do projeto, Jonathan Bates, começou a se arriscar no estilo independentemente após a influência de Alessando Cortini, um dos integrantes do NIN. E o resultado foi incrível, rendendo trabalhos que possivelmente não teriam chegado aos nossos ouvidos tão logo se não tivessem sido explorados em “The Sinner”.

Outro som maravilhoso utilizado na trama foi “Capsize”, que junto a “Huggin & Kissin” dá o gostinho do que Big Black Delta tem a oferecer. Confira:

No quarto episódio, Cora começa a fazer sessões de hipnose para tentar se lembrar da história por trás de seu impulso violento na praia. Ao longo do tempo, ela vai se recordando de alguns acontecimentos, e novamente a música faz parte de suas lembranças. “Nothing’s Gonna Hurt You Baby”, da banda Cigarettes After Sex, toca em um dos momentos que começa a se lembrar enquanto está sob hipnose. Parece que a famosa canção se encaixa tanto com o astral de envolvimento e intimidade que foi escolhida mais de uma vez para aparecer nas séries.

“Gypsy” é outra trama da Netflix que também a utilizou em momentos como esse, e o Minuto Indie já mergulhou em sua trilha sonora, confira aqui.

A trilha sonora de “The Sinner” chama mais atenção pelo uso das mesmas canções aliadas às memórias de Cora do que pelo emprego de muitas faixas. Ao longo dos episódios, “Huggin & Kissin” sempre volta a tocar com alguma parte das lembranças da personagem. Mas a construção do ambiente sonoro gira toda em torno do industrial aliado ao trip-hop, como “A Dark Tunnel”. O som faz parte do EP “Nightlife”, da banda Phantogram. Formada em 2007 por Josh Carter e Sarah Barthel, Phantogram é uma ótima descoberta para quem curte rock eletrônico com uma pitada de dream-pop. Seu último ábum, “Three”, foi lançado em 2016 e segue na mesma linha do estilo. Ouça aqui.

Essas foram algumas das canções que envolveram a história de “The Sinner”. O uso do industrial em uma série de mistério resultou em uma combinação perfeita de suspense e sensualidade. Mas o estilo também pode ser utilizado em tramas com outros enredos. No Brasil, uma opção interessante é a trilha sonora de “Rua Augusta”, série da TNT que conta a história de Mika (Fiorella Matheis), uma stripper que vive o submundo de uma das ruas mais badaladas de São Paulo.  Confira a matéria do Minuto Indie sobre a trilha, que além de criar perfeitamente os ambientes da série, virou álbum e traz faixas incríveis:

Série original da TNT “Rua Augusta” lança trilha sonora

“The Sinner” é o programa perfeito para quem curte música e mistério, e mais uma vez prova como a escolha da trilha sonora está diretamente atrelada ao enredo. Além do entretenimento, as séries também são uma ótima forma de conhecer bandas novas, basta procurar pelos sons que envolvem a dinâmica dos personagens e o ambiente em que se inserem.

Mas nessa série isso vai bem além. A maior parte das faixas utilizadas possuem comentários no YouTube de pessoas que só chegaram até elas porque as ouviram nos episódios. Um crime despertado por uma canção e toda a sua conexão com a história de Cora é um prato cheio para quem gosta de música. Mais que isso não podemos contar, tem que assistir para sentir e depois ouvir “Huggin & Kissin” novamente, o que com certeza vai despertar sensações totalmente diferentes. Aproveite.

Deixe uma resposta