Pick do MI #1: Melhores faixas do ano

Saiba quais músicas não saem do ouvido da nossa equipe no Pick do MI #1

 

Estreando o periódico, resolvemos perguntar a nossa equipe quais suas músicas favoritas do ano. Descubra quais são:

“Par de Remos”Playmobille

Anna Rosa de Oliveira: Eu gosto dessa canção porque fala muito sobre o tempo que temos e como ele passa rápido. Fazer as coisas acontecerem (como a própria letra diz, estamos num oceano, mas temos um par de remos). Fala sobre correr atrás dos nossos sonhos para não nos arrepender, e viver plenamente.

 

“Shirley”Fábio Cardelli 

Cainan WillyEm meio a tantos lançamentos incríveis da música nacional, que por sinal vive uma fase de incríveis talentos no cenário independente, eleger uma música, que tenha sido lançada nos últimos quatro meses, como a melhor é uma tarefa extremamente difícil; pra não dizer impossível. Por isso eu acabei escolhendo uma canção fácil e divertida: “Shirley”, do querido Fábio Cardelli.

A faixa, inspirada numa história real, fala sobre a paixão e os problemas de um casal pouco convencional. Fábio constrói um enredo que ativa nossa imaginação em segundos, com poucas palavras e acordes doces mostra a devoção de um piloto de caminhão por Shirley, uma caixa de banco.

“Catch my Breath” – Satanic Surfers

Eduardo da CostaO Satanic Surfers é uma banda da Suécia que nasceu em 1989, teve um hiato em 2007, mas voltou em 2014. Já tive a oportunidade de vê-la uma vez na antiga casa de shows Inferno Club (sugestivo né?) em 2015 e é uma das minhas bandas favoritas, com um som rápido e letras que falam principalmente sobre experiências da vida. A música Catch my Breath faz parte do álbum BACK FROM HELL, o primeiro disco com inéditas desde 2005, e a sonoridade continua a mesma, tomara que venham ao Brasil novamente esse ano.

“Devagar”Menores Atos

Eduardo da Costa (sim, não conseguiu escolher apenas uma): O Menores Atos é uma banda do Rio de Janeiro do começo dos anos 2000, já possuía alguns álbuns lançados, mas nos últimos anos houve a preferencia de se concentrar no seu último full álbum chamado animália, no CD Flecha Discos Vol. 1 que é um compilado de inéditas que além de contar com o Menores Atos, tem Zander, Bullet Bane e Chuva Negra, e agora também a nova e minha preferida nacional do ano “Devagar”, que foi lançada como uma prévia do disco novo que sairá ainda esse ano. É uma letra mais reflexiva, sobre experiência de vida também e sobre saudade.

“Over and Over and Over”Jack White

Matheus Berlink: Sou um amante da música indie, principalmente quando se colocar no patamar de inovador, alternativo… no entanto nos últimos anos a maioria das bandas indie e do rock, em especial aquelas que estão no topo entraram no senso comum, não que seja algo ruim, mas Jack White consegue fazer sempre o novo, mesmo que utilizando poucos elementos (como neste último álbum onde ele gravou usando pouco menos do que tinha no inicio da carreira), além disso, essa música é pra cima, tem um riff que fica na cabeça sem ser ao menos tempo chiclete/chato. Até as pausas de “Over and Over and Over” são contagiantes e nessa fase inovadora de J.W, “Over and Over and Over” consegue ser a síntese perfeita de um novo caminho para o rock/indie ao mesmo tempo que não perde sua essência e raízes.

“FRIENDS” – Marshmello & Anne-Marie

Vitória Corrêa: Minha favorita neste ano, que eu escuto sem parar, é “Friends”, da Anne-Marie com o Marshmello. É uma música bastante verdadeira e clara, canto com muita entonação.

“Nameless, Faceless” – Courtney Barnett

Tom SouzaFoi difícil escolher entre a épica “Beach Life-In-Death” do Car Seat Headrest, “Mantra” do Rubel e “Nameless, Faceless” da Courtney Barnett. Sinceramente, poderia ser qualquer uma dessas. “Escolhi” A da Courtney porque acho a letra genial demais. É basicamente uma resposta ao hate que é sofrido na internet, por defender uma causa ou por qualquer outro motivo. E as sacadas da música são muito verdadeiras. Fora que a Courtney sabe exatamente como fazer rock hoje em dia.

Minuto Indie no YouTube:

 

Deixe uma resposta