Em ‘Phantom Pain’, Gabriel Vendramini faz rock’n’roll com as próprias mãos

Em ‘Phantom Pain’, Gabriel Vendramini faz rock’n’roll com as próprias mãos

Phantom Pain‘ é o terceiro disco da carreira de Gabriel Vendramini

Quem acompanha o trabalho de Gabriel Vendramini sabe que sua grande característica é o conceito 100% DIY. A sede de fazer e experimentar tudo que a música permite é o que faz o cantor e compositor paulista conquistar os ouvidos por aí, e agora não seria diferente. Seu terceiro disco lançado é fruto de um processo de criação baseado na essência do rock’n’roll, por meio de elementos da guitarra, dos teclados e dos sintetizadores. É difícil escutar o ‘Phantom Pain‘ e não notar a maneira singular como o instrumental foi trabalhado.

Além do carinho de Gabriel com a sonoridade do rock anos 70/80 e com os instrumentos de modo geral, a liberdade em experimentar e deixar as ideias fluírem também é característica marcante nas 10 faixas de ‘Phantom Pain‘. ‘Lie‘ é uma delas. Junto com Marisa Brito, o artista entregou um som pesado e, ao mesmo tempo, muito livre. O contraste das duas vozes, bem como a presença do conceito do blues, fez com que a canção merecesse ser um dos singles desse novo trabalho.

Música de qualidade não se faz sozinho. Além da presença de Marisa em ‘Lie‘, o disco contou com o talento de Guilherme Wolf em ‘Freckles‘, Elisa Monasterio em ‘Alone‘, a banda Asilo Magdalena em ‘PLS‘, e também Bruno Philippsen nos teclados e sintetizadores de ‘Grindhouse‘. Outro artista importantíssimo para a estética de ‘Phantom Pain‘, foi Roger Mattos, quem pôs a mão na massa… ou nas capas, como preferir. Foi ele quem idealizou e criou as colagens que ilustram os singles e o próprio álbum.

Um dos elementos principais da arte idealizada por Roger é os olhos, que compondo um cenário sombrio, encaixam perfeitamente no que diz a melancolia das letras. O mais curioso é que, sem querer, o significado desse conceito tomou outra proporção. Um pouco antes do lançamento de ‘Phantom Pain‘, Gabriel sofreu uma neurite óptica, que ainda está em tratamento, e a visão de seu olho esquerdo foi comprometida.

Phantom Pain

O terceiro álbum do cantor poderia ser descrito como ‘uma aventura‘. Em meio a toda essa magia do DIY, ‘Phantom Pain‘ passa por variações do rock de uma maneira espetacular. Explorando sonoridades do rock alternativo, do grunge, do college rock, do stoner rock, do post-punk e do blues, Vendramini apresenta, mais uma vez, a graça de fazer música com as próprias mãos e, ao mesmo tempo, com coletividade.

Ouça ‘Phantom Pain

Mais notícias no Minuto Indie. Curta nossa página no Facebook.

Sabryna Moreno

Sabryna Moreno

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: