Os 25 melhores discos POP de 2018

Os 25 melhores discos POP de 2018

Todos esses cantores foram diagnosticados com escoliose, por carregarem o pop nas costas

Estamos chegando ao fim de 2018 e para quem gosta de listinhas dos melhores do ano, essa época é um prato cheio. Então nós do Minuto Indie resolvemos listar 25 CDs que salvaram o pop esse ano!

Esse foi um ano muito significativo para a música de um modo geral, porém para o universo da música pop foi bem mais agitado. Tivemos novos nomes surgindo no cenário e mostrando que o pop pode ser sim “salvo” por esses novatos, uma vez que alguns grandes nomes ficaram de fora esse ano.

Decidimos não enumerar dos melhores para os piores, pois sabemos que todos os álbuns citados aqui merecem um lugar de destaque, e acreditamos que o POP MERECE PAZ!

Camila Cabello – Camila.

Após sua saída do grupo Fifth Harmony, muito se especulou sobre a carreira solo e o primeiro CD da Camila Cabello. Ainda no ano de 2017 a cantora divulgou de forma discreta o single “Havana”, mas o que ela não imaginaria que esse se tornaria o maior hit daquele ano e da sua carreira até agora. Porém em janeiro deste ano ela lançou o aguardado “Camila”, um álbum que traz toda a sua latinidade e seus sentimentos, um grande acerto para seu início de carreira.

Iza – Dona de Mim.

Depois de ter feito em 2017 um sucesso gigantesco com o seu primeiro single “Pesadão”, a cantora IZA esse ano mostrou a que veio com o lançamento do álbum “Dona de Mim”. Repleto de parcerias como o cantor  Marcelo Falcão, o rapper Rincon Sapiência e outros, a cantora conseguiu colocar seu nome no cenário musical brasileiro.

Janelle Monáe – Dirty Computer.

Após cinco anos sem lançar nenhum álbum inédito, a cantora Janelle Monáe volta ao mundo da música com Dirty Computer, lançado em abril desse ano o CD contém 14 faixas e conta com parcerias incríveis como a cantora Grimmes, Zöe Kravitz e o cantor Brian Wilson do  Beach Boys.

Uma das ótimas surpresas desse álbum é a faixa “Make Me Feel”, que foi produzida pelo cantor Prince um pouco antes da sua morte, a música carrega toda a sensualidade e genialidade que o cantor passava em suas músicas.

Pabllo Vittar – Não Para Não.

Se o ano passado foi considerado seu ano, podemos dizer que ainda estamos vivendo em 2017? Ou em 2018 foi a mesma coisa?

Em outubro desse ano Pabllo Vittar lançou o ótimo “Não Para Não”, seu segundo álbum da carreira. Mostrando que veio para ficar a cantora mescla o pop, tecnobrega, forró, axé e tudo mais que o Brasil tem a oferecer. Com 10 faixas o CD conta com a participação das cantoras Ludmilla, Urias e do cantor Dilsinho. Se você não ficou com a frase “É Vittar mainha” na cabeça, sinto te informar mais você não viveu esse ano direito!

Lily Allen – No Shame.

Lançado em junho “No Shame” marca o retorno da Lily Allen ao mundo da música. Depois do não tão bom assim (para não dizer péssimo) “Sheezus”, a cantora volta acertar em suas músicas, em cada faixa você consegue sentir a honestidade e sensibilidade que Lily emprega em suas letras.

“No Shame” resgata a essência da cantora se tornando um dos melhores e mais completos álbuns da sua carreira até o momento. Vale uma atenção especial para a faixa “Trigger Bang”, uma parceria com o rapper Giggs, que vai você escutar pelo menos umas 3x no repeat.

Alice Caymmi – Alice.

Que o talento da família Caymmi é algo que transcende todos os planos espirituais, nós já sabemos. Mas necessitamos falar de Alice Caymmi.

Depois de nos arrebatar com o seu último CD “Rainha dos Raios” (escutem a melhor versão possível da música “Iansã”), ela lançou em janeiro desse ano seu terceiro álbum “Alice”. Com uma voz marcante a cantora passeia por uma sonoridade mais pop, diferente do seu último registro. São 9 faixas que se conectam e mostra uma mensagem coesa do início ao fim!

Ariana Grande – Sweetener.

Se você quer pop, então toma pop e de boa qualidade!

Em Sweetener” lançado em agosto desse ano, a cantora Ariana Grande crava de vez o seu nome no hall das grandes divas dessa geração. Com uma sonoridade que não segue a obviedade e simplicidade que as outras cantoras  vêm criando, o álbum mostra a escala evolutiva que Ariana vem conquistando em seus discos.

As parcerias com as rappers Nicki Minaj, Missy Elliott é outro ponto positivo do álbum. Destaque para as músicas “No Tears Left To Cry”, “Sweetener” e “God Is a Woman” que é a melhor faixa desse CD.

Jão – Lobos.

O mais novo fenômeno do pop brasileiro, Jão lançou seu primeiro CD chamado “Lobos”.  Com uma linguagem fácil o cantor fala sobre um assunto apenas, o “AMOR”, seja ele a forma que for. Por mais que algumas músicas tenham uma sonoridade diferente uma da outra, a história contada no CD o transforma em um trabalho coeso e que dialoga muito bem com essa nova geração de jovens.

Afinal se somos a geração dos corações partidos, vamos acabar morrendo sozinhos.

Jess Glynne – Always In Between.

Sabe aquela pessoa Good Vibes? Em que vive te dizendo que tudo vai passar? Então, essa pessoa é a cantora Jess Glynne!

Em seu segundo álbum “Always In Between” a cantora inglesa mostra que o pop britânico tem sim o seu valor. Com uma sonoridade dance/pop e letras superpositivas, Jess promete não te deixar desanimar e te faz acreditar que os momentos ruins passam, para os bons chegarem!

Charlie Puth – Voicenotes.

Mostrando um amadurecimento entre um álbum e outro, o cantor Charlie Puth lançou em maio desse ano “Voicenotes”, recheado de letras sobre amor e relacionamentos, o CD foi considerado uma grata surpresa para a música pop e se tornou um dos principais lançamentos do início deste ano. Vale uma atenção para a faixa “Done For Me”, parceria com a cantora Kehlani.


MØ – Forever Neverland.

Após participar do grande hit de 2015 “Lean On”, a cantora dinamarquesa MØ ganhou os holofotes do mundo musical e foi alçada a uma das grandes promessa do pop. E nesse novo álbum ela não decepciona, com uma sonoridade mais comercial,  a cantora parece querer expandir seus horizontes musicais e abraçar o mundo! O CD conta com a participação da cantora Charlie XCX (um dos pontos altos do disco) e do seu grande parceiro Diplo.

Shawn Mendes – Shawn Mendes.

Chegamos ao marido do pop!

Esse ano podemos afirmar que foi o ano do Shawn Mendes, com o seu último álbum figurando nas listas de melhores do ano. Visivelmente mais maduro e com músicas consistentes, seu novo disco evidência a qualidade musical do cantor, e confirma que ele deixou de ser uma grande promessa da música, para se tornar um dos grandes nomes da sua geração. Vale uma atenção especial para a faixa “Youth”, uma parceria com o cantor Khalid que te faz descansar nos braços do pop.

Jorja Smith – Lost & Found.

Pensa em uma tarde de verão, você deitado na sua cama, um ventilador ligado, com os fones de ouvido escutando “Lost & Found”. Esse é o cenário perfeito para você ter a melhor experiência que a cantora Jorja Smith tem para te oferecer nesse álbum de estréia. 

Lançado em junho deste ano, a cantora britânica apresenta uma mistura de rap, soul, R&B, blues e pop, todos esses ritmos misturados com a voz suave e doce de Jorja, nos leva a certeza de que precisávamos urgente de um álbum assim. Passeando por temas como amores possíveis e impossíveis, incertezas da vida e a descoberta do amor próprio, as 12 faixas do CD soam como um abraço apertado de esta tudo bem! Vale ressaltar as músicas “Teenage Fantasy”, “Where Did I Go?” e “February 3rd”

The Carters – Everything Is Love.

“Everything Is Love” é aquele CD que precisávamos, mas sem saber que precisávamos! (não tem mais o que falar, apenas que se você ainda não ouviu esse álbum corra e escute, faça esse favor a sua saúde musical).

Robyn – Honey.

Bom, o que falar do mais provável melhor CD pop do ano? 

Depois de longos oito anos de espera, a cantora Robyn nos surpreendeu esse ano com o magnífico álbum “Honey”. Diferente de muitas cantoras que fazem uma pausa na carreira e acabam se perdendo no caminho, Robyn mostrou que esse hiato só lhe fez bem e que continua evoluindo cada vez mais. Com uma pegada mais pop melancólico (aquele que nos deixa na dúvida entre chorar e rebolar), a cantora nos leva a uma montanha russa de emoções. Vale muito prestar atenção no álbum todo! 


Troye Sivan – Bloom.

Podemos dizer que 2018 foi um bom ano para o reizinho do pop Troye Sivan, o cantor australiano chamou a atenção da crítica e do mundo da música com o lançamento do álbum “Bloom”

Seu segundo registro de inéditas contém 10 faixas, onde o cantor fala sobre amores felizes e infelizes, curiosidades sexuais e sobre se firmar como um artista gay. Neste álbum Troye mostra todo um amadurecimento pessoal e musical. Vale muito a pena dar mais atenção as músicas “My, My, My”, “The Good Side” e “Dance To This”, um acerto de parceria com a cantora Ariana Grande. 

Podemos dizer que “Bloom” é aquele “TOCA UMA PRAS GAYS DJ”

Kali Uchis – Isolation.

Kali Uchis e o início de um novo pop. 

Como podemos observar ao longo dessa lista, vários cantoras/cantores vem mudando o cenário do pop do que estamos acostumados e uma das responsáveis por isso é a cantora colombiana Kali Uchis. 

Em seu disco de estréia “Isolation” a cantora entrega uma mistura de influências como, R&B, blues, rap, pop e até bossa nova, em um primeiro momento você pode achar que toda essa mistura não daria certo, mas quando você escuta com atenção, automaticamente você vai pensar “QUE ÁLBUM FODA”.  “Isolation” é um CD que não deixa a desejar em momento nenhum, todas as letras se complementam formando um álbum coeso, com começo, meio e fim. Sobre as parcerias são outro grande acerto, Jorja Smith, BIA, Steve Lacy, Reykon e o rapper Tyler, The Creator fazem participações poderosas. Vale a pena prestar uma atenção especial ao CD todo e transcender ao som da voz de Kali Uchis. 

Rosália – El Mal Querer.

Tenho a impressão que a cantora Rosália estava na casa dela pensando em como dominar o mundo da música e ai ela teve a ideia de lançar “El Mal Querer”.

Lançando nos 45 minutos do último tempo, “El Mal Querer” já é considerado como um clássico, e um álbum que define um novo rumo para a música latina. Ao longo das 11 faixas do CD, a cantora versa sobre suas dores de amor e se mostra reflexiva sobre o tema. Como uma das jovens cantoras que estão surgindo para revolucionar o pop, Rosália é uma das melhores surpresas musicais desse ano! 

Não perde mais nenhum segundo e vai se maravilhar com “El Mal Querer”. 


Jason Mraz – Know.

A volta do bom moço, criado com a vó! 

Em 2018 tivemos a volta do cantor Jason Mraz. Depois de um intervalo de quatro anos do seu último álbum, o cantor retorna com “Know” seu sexto registro de estúdio. Jason continua com a mesma pegada do pop acústico maravilhoso que só ele sabe imprimir em suas músicas, durante as 10 faixas ele passeia por sentimentos como amor, amizade e que os dias bons irão chegar. 


Mariah Carey – Caution.

Mimi está de volta! e da melhor forma possível

Depois de amargar algumas críticas negativas no seu último CD,  e colecionar algumas polêmicas durante esses anos, Mariah Carey está de volta, e parece que dessa vez está disposta a finalmente retornar a carreira musical que a consagrou como uma das grandes divas da música. Com letras que permeiam os sentimentos da cantora e suas anseios amorosos, Mariah mostra que ainda tem relevância. Vale prestar atenção nas músicas “With You” e “Giving Me Life”.

Sofi Tukker – Treehouse.

O Duo de pop eletrônico finalmente lançou em abril desse ano o álbum “Treehouse”, com uma sonoridade pop de qualidade eles mostraram que sabem fazer músicas que são divertidas e nada convencionais diferente do que vem sendo apresentado no cenário pop eletrônico. Vale prestar atenção nas músicas “Batshit” e no remix de “Energia” parceria do duo com a cantora Pabllo Vittar. 

Christina Aguilera – Liberation.

Antes de qualquer coisa precisamos erguer as mãos para o céu e agradecer porque finalmente X-tina saiu do limbo que estava e lançou um bom CD! 

Claro que esta longe de ser o melhor álbum da sua carreira (saudades “Back To Basic), mas “Liberation” lançado em junho traz de volta a voz dessa geração de uma forma segura e mais poderosa do que nunca. Com um amadurecimento visível em suas letras e músicas, o novo CD cumpre o que promete com uma sonoridade linear que mostra que Aguilera é ainda muito relevante no cenário pop atual. 

Years & Years – Palo Santo.

Em julho desse ano o trio britânico divulgou o seu segundo álbum de estúdio, intitulado “Palo Santo” . Com 14 faixas o grupo faz na medida certa a sonoridade mais eletro/pop, mas sem perder a sua identidade artística e poética, as musicas que podem te fazer dançar, cantar e sofrer. É aquele pop britânico de qualidade pode confiar! Vale dar uma atenção especial para as faixas “Sanctify”, “Hallelujah” e “All For You”

Rita Ora – Phoenix.

Depois de seis anos de espera, e de muita polêmica em torno desses anos, Rita Ora volta às paradas musicais com o seu segundo álbum de estúdio “Phoenix”. Com músicas divertidas, e refrões marcantes que vão te fazer querer dançar a todo o momento. 

Em “Phoenix”, Rita Ora mostra que sabe fazer aquela farofa maravilhosa que nós amamos!

Bebe Rexha – Expectations.

O debut álbum “Expectations” da cantora Bebe Rexha finalmente chegou em junho desse ano. O CD tem 14 faixas onde a cantora passeia por seus dramas pessoais, como ansiedade, frustrações e relacionamentos que não duraram. 

Se você acha que esquecemos algum CD no churrasco, diz ai nos comentários qual você acha que deveria estar na lista.

Confira o último vídeo do canal Minuto Indie:

minutoindie

minutoindie

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: