MI INDICA: My Chemical Romance além dos hits

MI INDICA: My Chemical Romance além dos hits

Você conhece tudo sobre o My Chemical Romance? Você foi além dos hits?

Sabemos que a quarentena pode gerar muito tédio, mas o Minuto Indie está aqui para trazer novos olhares para bandas que você provavelmente já conhece. Nossos colaboradores vêm produzindo matérias completíssimas sobre bandas para você explorar na quarentena. Já lançamos uma sobre Catfish And The Bottlemen, e outra sobre Arctic Monkeys e a de hoje é My Chemical Romance, que é uma banda que vai muito além dos hits dos anos 2000. Muitos podem achar que não há nada de novo para falar sobre o MCR, mas vamos mostrar ao contrário!

História

O My Chemical Romance é uma banda de New Jersey formada em 2001.O grupo é formado por Gerard Way (vocais), Mikey Way (baixo), Ray Toro (guitarra) e Frank Iero (guitarra). Para entender o início do MCR, é preciso saber como estava o mercado de histórias em quadrinhos na época. Gerard Way tinha acabado de se formar na Escola de Artes Visuais, em Nova York, em 1999, e sua paixão eram as HQs. O cenário de HQs vinha em queda nos anos 90, o que dificultou a sua carreira na área. Way chegou a ter um estágio no Cartoon Network, e escreveu uma série animada chamada The Breakfast Monkey, porém o desenho não chegou às telinhas pela emissora achar parecido com uma animação que já estava sendo transmitida pelo canal. Em 2001, quando ainda era estagiário no Cartoon, ocorreu o ataque de 11 de Setembro, que chocou todos os Estados Unidos. Gerard afirma que para lidar com o estresse pós-traumático, ele criou o My Chemical Romance, ao lado do baterista Matt Pelissier, que foi sua “terapia” por anos. Como o mercado de HQs estava em baixa, Way viu a música como sua oportunidade de contar suas histórias. A primeira canção da banda foi Skylines and Turnstiles, escrita por Gerard, que fala exatamente do atentado das Torres Gêmeas. Pouco depois Mikey Way, irmão de Gerard, e Ray Toro se juntaram a banda. Frank Iero era parte da banda Pencey Prep, e após se juntou ao MCR, completando o grupo.

I Brought You My Bullets You Brought Me Your Love (2002)

O primeiro disco lançado da banda foi I Brought You My Bullets You Brought Me Your Love, de 2002, pela Eyeball Records. O álbum é cru e tem muita influência do hardcore e do emo, com muitos vocais gritados e instrumental sujo. Há quem não goste da mixagem do trabalho, mas é a sujeira da produção que intensifica a experiência, trazendo muita verdade e desespero em muitas faixas. Além de Skylines and Turnstiles, o álbum guarda pérolas preciosas que você tem que prestar atenção!

Honey, This Mirror Isn’t Big Enough For The Two Of Us

O primeiro single do My Chem é a segunda faixa do álbum, após a instrumental Romance, chamada Honey, This Mirror Isn’t Big Enough For The Two Of Us. O clipe recria cenas do filme japonês, Audition. Não recomendamos o clipe para pessoas sensíveis, pois há cenas de tortura. A faixa fala sobre o uso de drogas e o passado de Gerard lidando com o alcoolismo.

Vampires Will Never Hurt You

De acordo com Way, Vampires Will Never Hurt You é a sua música preferida do My Chemical Romance de se tocar ao vivo. A faixa representa bem a atmosfera de terror que a banda estabelece no seu debut. Vale a pena ser conferida!

Drowning Lessons

Uma das melhores músicas do MCR é Drowning Lessons e infelizmente não é performada ao vivo há muitos anos. A canção foi retirada dos setlists por acreditarem ser amaldiçoada. Pois, toda a vez que o grupo tocava esta música coisas ruins aconteciam, como pessoas se machucando e problemas técnicos. Porém, há quem diga que ouviu o My Chem ensaiando Drowning Lessons durante a passagem de som do show de retorno em Dezembro de 2019.

Early Sunsets Over Monroeville

Sim! O My Chemical Romance tem uma balada além de Cancer! Uma das canções mais emocionantes do grupo é Early Sunsets Over Monroeville. O instrumental e os vocais de Way deixam a música impossível de se ouvir sem derramar uma lágrima. Monroeville é a cidade em que filmaram cenas do filme Despertar dos Mortos, longa que inspirou a faixa. A música fala sobre um casal que foge de vampiros, mas quando a mulher é mordida, o homem se vê obrigado a matá-la.

Demolition Lovers

Uma faixa que começa como uma balada, mas que explode em um instrumental grandioso e vocais urgentes. Aqui, a música conta a história de um casal que morreu em um tiroteio e vai para o purgatório. Para resgatar sua amada, o homem precisa matar 1000 homens maus, o que é o tema do álbum seguinte. Nesta faixa, Way conta como o casal morreu. Em uma interpretação mais superficial, a canção é sobre amor proibido.

Three Cheers To Sweet Revenge (2004)

Three Cheers To Sweet Revenge foi o disco que apresentou MCR para o grande público. A banda lançou o trabalho pela Reprise Records, selo da Warner Music, e já demonstra uma evolução absurda na produção e mixagem em comparação com o primeiro. O álbum é a continuação da história apresentada em Demolition Lovers, em que um casal morre em um tiroteio e vai para o purgatório. Porém, o homem descobre que a sua esposa está viva e para salvá-la, ele precisa voltar a Terra e matar 1000 homens maus. Neste trabalho, o My Chem traz mais influências do punk e do rock alternativo.

Helena

A faixa de abertura, Helena, foi um hit astrondoso, que fala sobre o luto de Gerard após a morte da sua avó, Elena. Elena foi importantíssima no desenvolvimento artístico dos irmãos Way, ela que os ensinou a pintar, desenhar, tocar e cantar. Também foi Elena que comprou a primeira van do My Chemical Romance. Além disso, ela marcava os shows da banda quando os meninos não estavam na cidade. Way afirma que a música Aces High, do Iron Maiden foi grande influência para esta canção. O clipe já acumula mais de 100 milhões de visualizações no YouTube e foi filmado na Igreja Presbiteriana Emanuel, em Wilshire Boulevard, em Los Angeles, EUA.

To The End

A faixa To The End é inspirada em na história A Rose For Emily, do William Faulkner. Há quem interprete que é sobre um casamento em colapso. A música é uma ótima combinação de riffs inspirados no punk e vocais com inspiração no post-hardcore e no emo.

You Know What They Do To Guys Like Us In Prison

Esta faixa é uma das mais polêmicas do MCR, que fala sobre a época em que Gerard Way e Bert McCraken, vocalista do The Used, eram melhores amigos. Bert usava da fama como sua desculpa de loucura e, juntos, usavam drogas e bebiam. Gerard, sempre foi mais artístico e sensível e vinha batalhando contra a depressão há alguns anos. Devido à amizade autodestrutiva dos dois, ambos tiveram uma desavença que desfez a amizade deles. Nesta canção, Gerard conta sobre uma vez em que os dois passaram o dia usando drogas e bebendo no hotel, enquanto estavam acompanhados do produtor da banda. Bert, inclusive, faz os backvocals da faixa. Muitos consideram esta fase do My Chem, a pior fase pessoal de Way, visto que o cantor estava quase sempre bêbado e sob o efeito de cocaína.

I’m Not Okay (I Promise)

Um dos maiores hits do My Chemical Romance é I’m Not Okay (I Promise). O clipe acumula mais de 60 milhões de visualizações no YouTube e passava várias vezes na MTV. Aqui, a música conta a história de um menino que se apaixonou por uma menina. Esta menina gosta dele, mas namora outro garoto e não tem coragem de terminar com ele. A canção foi inspirada na experiência de Gerard no ensino médio. Way gostava muito de uma menina, mas descobriu fotos dela com o namorado. I’m Not Okay foi a primeira música tocada pelo MCR em 7 anos no show de retorno em 2019.

The Ghost Of You

Outro hit do My Chemical Romance é The Ghost Of You. É um dos melhores clipes do MCR, inspirado em O Resgate do Soldado Ryan. , com uma produção excelentíssima. Mais uma faixa sobre o luto. Aqui, o protagonista sofre pela perda da sua amada e pensa até em suicídio. Ele duvida da sua capacidade de consegui-la de volta. Aqui listamos as melhores faixas do álbum.

Thank You For The Venom

Dentro do contexto do álbum, Thank You For The Venom é sobre uma freira conhecendo um criminoso e tentando mudá-lo. Em outra camada, a música fala sobre perseverança e sobre as pessoas que tentam convencer outras a desistir de objetivos e desviar dos seus caminhos.

Cemetery Drive

Cemetery Drive é uma das faixas mais underrated do disco. A música merece muito mais atenção do que lhe é dada. A música segue a história do casal, fala de luto, raiva e saudade. A bateria ganha muito destaque na canção e o riff do refrão gruda na cabeça. Também há interpretações de que o trecho “Way down” se refere ao próprio Gerard Way. Ao vivo, Cemetery Drive ganha uma intensidade extra e vale a pena conferir a apresentação do MCR no México abaixo.

 

Life On The Murder Scene (2006)

Este disco é a versão ao vivo, que conta com uma bônus track que é uma das faixas mais belas do My Chem: Desert Song. Já falamos dela na nossa lista dos melhores b-sides do My Chem, então se quiser saber mais sobre ela, não deixe de dar uma passadinha na matéria. É uma faixa de se emocionar.

Desert Song

Life On A Murder Scene também é um documentário sobre o MCR, que vai a fundo na vida da banda, no seu início e conta com algumas apresentações ao vivo. O filme é um vídeo-diário do grupo e mostra o behind-the-scene das turnês da era Revenge. Infelizmente é a fase que relata a pior fase do alcoolismo de Gerard, em que estava quase sempre embreagado, gerando vários registros de Way cambaleando, vomitando e falando alterado.

 

The Black Parade (2006)

Agora chegou a hora de falar do clássico! O fantástico The Black Parade foi lançado em 2006 e definiu o rock dos anos 2000. O disco conta a história do Paciente, um homem que luta contra um câncer e depressão. O trabalho é uma opera rock sobre o conceito da morte, que para Gerard vem como uma forte lembrança. Por isso, para Paciente, a morte vem como uma lembrança dele criança o levando para um desfile (A Parada Negra). O trabalho conta diferentes perspectivas e as diferentes fases da morte, seja o luto, a aceitação, a indignação, a raiva, o arrependimento e outros diferentes sentimentos relacionados à morte. Entre as faixas mais famosas estão Welcome To The Black Parade (HINO), Teenagers e Famous Last Words.

The End

The End é a faixa de abertura do álbum, convidando o ouvinte à embarcar na história. A música, por mais que seja curta, explode em certos momentos começando a estabelecer uma atmosfera grandiosa. É legal assistir ao show do DVD The Black Parade Is Dead!, nesta canção, Gerard entra no palco deitado em uma maca de hospital, com roupa de paciente.

Welcome To The Black Parade

Um verdadeiro clássico dos anos 2000, que quando tocada até hoje, gera coros nos primeiros trechos. Impossível resistir quando alguém começa com “When I was a young boy, my father took me into the city to see a marching band“, além de impossível não reconhecer na primeira nota (a famosa G note). A música traz influências do rock de arena do Queen, como Bohemian Rhapsody, e começa lenta, mas explode em um refrão grandioso e extremamente chiclete.

 

This Is How I Disappear

This Is How I Disappear é uma das melhores músicas do MCR, traz um instrumental maravilhosamente bem executado e mixado, além do excelente vocal teatral de Gerard Way. A música fala sobre o Paciente, sabendo da sua morte eminente, refletindo sobre os seus erros e sobre o seu relacionamento com uma garota.

 

The Sharpest Lives

A faixa possui uma das letras mais fortes do My Chemical Romance com o trecho

“A light to burn all the empires, so bright the sun is ashamed to rise and be ( Uma luz para queimar todos os impérios, tão brilhante que o Sol tem vergonha de nascer e existir)”

 

Mama

Mama é uma das músicas mais completas e complexas (vocalmente, instrumentalmente e conceitualmente falando) do My Chem. A faixa mistura diferentes aspectos da banda, do mais pesado ao máximo da teatralidade. A atrz Liza Minnelli faz os vocais de apoio, assim como os pais de Gerard e Mikey, e de Frank. É uma faixa fúnebre e sombria, falando sobre a certeza da morte, de como todos vamos morrer algum dia, como é dito nas partes “Mama, we’re all gonna die (Mamãe, nós todos vamos morrer)” e “Mama, we’re meant for the flies (Mamãe, nós somos destinados às moscas)”. E é nesta faixa em que percebemos como uma banda pode criar algo tão incrível a partir de um tema tão sombrio.

 

Sleep

Uma faixa urgente, com gritos, com uma melodia pegajosa, que ao vivo, é uma experiência única. O My Chemical Romance recentemente tocou esta música no show de retorno e foi uma excelente surpresa. O início da música fala sobre quando Frank Iero tinha sintomas de paralisia do sono nos hotéis e sonhava com os seus entes queridos morrendo.

 

Disenchanted

Você quer uma definição de emo dos anos 2000? Então toma Disenchanted! Com uma introdução de violão melancólica, vocais entristecidos, a faixa é bela e trágica. Com as esperanças acabando, o Paciente começa a aceitar a morte certa. A música também fala da depressão de Gerard Way e de como a vida como adulto se tornou difícil e gerou pensamentos depressivos e suicidas. Acima de tudo, a canção é sobre sonhos, que muitas vezes não dão certo, como no trecho “So I can watch all my heroes selling cars on TV (Para que eu possa ver todos os meus heróis vendendo carros na TV)”, no sentido de “se até os meus ídolos se deram mal na vida, o que vai acontecer comigo? Não existe esperança”. No sentido da história, o Paciente era uma pessoa que tinha seus sonhos, mas que foram interrompidos pelo câncer.

Danger Days: The True Lives Of The Fabulous Killjoys (2010)

Em 2010, o My Chemical Romance lançou o seu último álbum até hoje. Danger Days traz todo o amor de Way pelos quadrinhos em uma opera rock sobre um futuro (que não é mais futuro, já que a história se passa em 2019) distópico na Califórnia, em que o estado está sendo controlado pela Better Living Industries. Os Killjoys são um grupo rebelde, em que cada membro da banda tem um codinome, sendo Party Poison (Gerard Way), Jet Star (Ray Toro), Fun Ghoul (Frank Iero) e Kobra Kid (Mikey Way). Grande parte dos fãs da banda consideram este o pior disco do grupo, porém foi bem recebido pela crítica. O disco traz mais influências do pop e do eletrônico e vamos listar as melhores faixas do trabalho! Além de Na Na Na (Na Na Na Na Na Na Na) e SING, o trabalho traz algumas pérolas que merecem atenção.

Bulletproof Heart

Bulletproof Heart é uma música divertida, que fala sobre fuga, no conexto do álbum de agentes da Better Living. A faixa traz um belo solo de guitarra de Ray Toro. É leve e contagiante.

 

The Only Hope For Me Is You

A faixa esteve na trilha sonora de Transformers 3. É uma música com vibe futurista, com uma mensagem fofinha, instrumental cativante e melodia chiclete.

 

Summertime

Mais uma música fofinha do My Chem. É uma faixa romântica com a cara do verão californiano. A bateria ganha destaque e a sobreposição de de vozes é muito eficiente. Vale a pena conferir a versão acústica desta música ao vivo no pôr do sol. Belíssimo!

 

The Kids From Yesterday

The Kids From Yesterday tem um clipe nostálgico e muito fofo! Não é um clipe muito conhecido da banda, mas vale o play. Tem filmagens de diferentes fases da banda, pois a faixa fala sobre sermos as “crianças de ontem”, fala sobre memórias, sobre a juventude, sobre mudanças e sobre a vida adulta. É de se emocionar.

 

Conventional Weapons (2012/2013)

A coletânea Conventional Weapons era para ser o quinto disco do My Chemical Romance, porém em 22 de Março de 2013 o grupo anunciou o término das suas atividades. Gerard afirmou que não houve briga, a decisão aconteceu pelo telefone e ainda disse que ele não se sentia mais em sintonia com o grupo, além de problemas do passado como ansiedade, voltaram a surgir. Além disso Way afirmou que não havia necessidade da banda continuar, visto que o mundo se encontrava melhor e a situação dos EUA estava boa. Conventional Weapons foi lançado em 5 partes, cada uma com duas músicas. Vamos listar as melhores!

Boy Division

Urgente, rápida e pesada. Boy Division é perfeita para levar o público à loucura. Esperamos que agora que estão de volta, toquem essa faixa ao vivo!

 

AMBULANCE

AMBULANCE é chiclete, com melodia pegajosa e belas notas altas emitidas por Way. É impossível não ouvir e não ficar cantarolando o resto do dia.

 

The Light Behind Your Eyes

A história por trás desta música é extremamente triste. É sobre uma fã que esteve internada no hospital por overdose. A mãe foi em uma Comic Con em São Francisco e contou para Gerard o que aconteceu. Way ligou para a menina e ela disse que não conseguia dormir. Ele disse que se estivesse com ela, cantaria para ela dormir e a fez prometer que não iria chorar, nem se machucaria de novo. Gerard disse que a garota deveria ser forte para passar pela situação e disse que eles iriam se encontrar no futuro e ele queria saber se ela manteve sua promessa. Way prometeu que lançaria uma canção para ela, e este foi o resultado.

 

May Death Never Stop You (2014)

Em 2014, o MCR lançou uma coletânea de melhores hits, que continha além de demos uma música nova, intitulada Fake Your Death. A faixa gerou muito rebuliço entre os fãs, já que a banda tinha acabado de se separar, e fala exatamente sobre o fim do grupo.

Fake Your Death

 

The Black Parade/Living With Ghosts (2016)

Em 2016, o My Chem lançou um vídeo misterioso sobre MCRX, que gerou esperança nos fãs sobre uma possível reunião, porém era apenas uma edição de 10 anos de The Black Parade, que conta com demos e unreleaseds excelentes, como Emily, Not That Kind Of Girl e All The Angels.

Emily

 

Not That Kind Of Girl

 

All The Angels

 

Desde então o My Chem não lançou mais nada. Porém em Outubro de 2019, a banda anunciou a reunião do grupo. Em Dezembro de 2019 a banda fez o seu primeiro show em 7 anos. Eles anunciaram uma turnê gigantesca que teve ingressos esgotados em todo o mundo.

B-sides

Nós fizemos uma lista indicando os melhores b-sides do My Chemical Romance, você pode conferir aqui.

 

Curiosidades

  • Gerard e Mikey Way estão sóbrios atualmente
  • Hoje é aniversário de Gerard Way!
  • Gerard tem uma filha de 10 anos, chamada Bandit.
  • Mikey tem duas filhas: Rowan e Kennedy.
  • Frank Iero tem três filhos: Miles, Cherry e Lily.
  • Lindsay Way, esposa de Gerard, era baixista do Mindless Self Indulgence e hoje é pintora.
  • Gerard Way coordena o arco Young Animal, da DC Comics, que inclui quadrinhos com personagens autorais como Mother Panic, mas também personagens como A Patrulha do Destino e Batman.
  • Gerard Way além de escrever The Umbrella Academy, acompanhou de perto a produção da série de TV.
  • Frank Iero já teve diversos projetos, entre eles Death Spells, Leathermouth, Frank Iero And The Cellabration, Frank Iero And The Pacience, e, mais recentemente, Frank Iero And The Future Violents.
  • O MCR veio ao Brasil apenas uma vez em 2008.
  • Nós do Minuto Indie entrevistamos Frank Iero sobre sua vinda ao Brasil com a sua carreira solo, você pode conferir aqui.
  • Mikey Way teve a ideia do nome da banda, inspirando-se em um livro chamado Ecstasy: The Three Tales Of Chemical Romances.
  • O MCR lançou recentemente um vídeo belíssimo de anúncio da turnê americana, com homenagens a todas as fases da banda. Você pode conferir aqui.

Mais notícias no Minuto Indie. Acompanhe nossas postagens no Facebook.

Juliana Guimarães

Juliana Guimarães

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: