Finneas O’Connell revela processo de produção de músicas para Billie Eilish, Selena Gomez e mais

Finneas O’Connell revela processo de produção de músicas para Billie Eilish, Selena Gomez e mais

O produtor comentou sobre seu trabalho com a irmã, seu próprio EP e mais

Recentemente em um bate-papo com a PitchforkFinneas O’Connell revelou como ele produz as demos e como as transforma em música para Billie Eilish. Sentado em seu estúdio, ele conta como surgiram e por quê algumas peças das canções são tão essenciais para a produção de cada faixa da irmã.

Já curte o Minuto Indie no Facebook? Clique aqui!

Que Finneas O’Connell e Billie Eilish são inseparáveis todo mundo sabe. O que nem todos entenderam ainda é que o sucesso de um é o sucesso do outro. Finneas é para Billie mais do que um irmão, ele produz as canções, ele a ajuda com composições, escreve as próprias também, e muito mais.

Esse processo de composição e produção, aliás, é mais difícil do que se imagina. Isso porque, apesar de Billie atualmente ter contrato com uma gravadora, é tudo feito em casa, no melhor estilo bedroom pop. Por isso, a busca pela vulnerabilidade, pessoalidade e profissionalismo é grande. E, tanto ela quanto Finneas entregam isso ao público.

FINNEAS O’CONNELL, O PRODUTOR

Ele começa falando de como criou os primeiros segundos de watch, um dos primeiros lançamentos da cantora. De acordo com ele, um monte de palitos de fósforo se chocando com a parede do banheiro se tornaram o início da música. Depois, ele comenta sobre como as distorções de voz e pequenos ruídos fizeram de bury a friendhit que ela é.

A canção listen before i go é uma das produções mais antigas dos irmãos, inicialmente sob o nome listen. Ele explica que no meio do trabalho existem nuances de sintetizadores, além de mais uma distorção na batida, a qual ele chama de seaboard. A história de i love you é quase a mesma ideia de watch porque Finneas explica que os acordes do segundo verso da música foram feitos a partir da alteração do som do botão de chamar a aeromoça no avião.

Finneas O’Connell conta que a sorte com bad guy foi não precisar que ele pensasse muito e o que ele pensou, ele descartou. Ele pensou mais em algo para depois do refrão e o que saiu foi um marco para a música. Billie Eilish escreveu e produziu o final da música seu quarto sozinha com o auxílio de duas Yamaha HS5, uma espécie de monitor de estúdio. Em when the party’s over, a voz da cantora se sobressai durante o primeiro minuto e após isso ganha a companhia de uma sub batida, além da adição de piano. No entanto, Finneas conta que produzir a faixa foi complexo.

Em ocean eyes, a canção que deu visibilidade para Billie, foram necessárias sete semanas para gravar os vocais. Finneas conta que a irmã sabia exatamente como queria que cada verso soasse e não parou de trabalhar até atingir a perfeição. Eilish tinha 13 anos na época e ele explica que ela se utilizou de diversas referências para criar seu debut, indo desde Aurora, Lapsley à Lana Del Rey.

BONUS: FINNEAS O’CONNELL, SELENA GOMEZ, CAMILA CABELLO E TOVE LO

Depois de comentar sobre as canções de Billie Eilish, ele falou um pouco a respeito das próprias produções, principalmente a de seu EP Blood Harmony. O projeto conta com várias referências de bandas como The Killers e Gorillaz, além de estilos musicais também. Sobre seu próprio trabalho, ele destaca que presta atenção e valoriza muito os acordes e que tenta deixar a faixa mais hi-fi (natural gravado ou ao vivo) quanto possível.

Finneas comentou ainda sobre a sua participação na produção do single Lose You To Love Me, da Selena Gomez. Ele contou que todos os sons esquisitos (som de ventos) que estão presentes na música, além de suaves sintetizadores, foram ele quem produziu. No refrão final, foi adicionado ainda um “tipo louco de som” intitulado whooshing, que soa como algo rápido e instantâneo.

Ele também produziu Used To This, da Camila Cabello, a qual tem uma boa imitação do som de sinos no refrão. Nesta música, ele “billieishou” o último refrão quando adicionou algumas percussões juntamente a um som de relógio, um pouco distorcido. Além disso, ele também colaborou na letra.

Por fim, Finneas O’Connell produziu Bikini Porn, da Tove Lo. Ele enviou a música quase como a demo original, quase apenas com os vocais. Não tinha harmonias, então ele teve de produzi-las. Para isso, Finneas utilizou um plugin chamado Little AlterBoy deixando no modo robô, o que ele achou o máximo, pois tornou algumas camadas artificiais e essenciais.

WHEN WE ALL FALL ASLEEP, WHERE DO WE GO?

MI NO YOUTUBE:

Mais notícias no Minuto Indie.

Vitoria Correa

Vitoria Correa

A louca dos esportes, música e livros, faço dos meus hobbies uma projeção do meu futuro profissional. Formada em Técnico em Informática e cursando Jornalismo.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: