Festival Live To Live tem segunda edição no final do mês

Festival Live To Live tem segunda edição no final do mês

Com a temática “Cápsulas Apocalípticas”, web-festival aborda discussões sobre Políticas Públicas, Corpos Transgressores 

A segunda edição do Festival Live To Live discute temas pertinentes para nos fazer refletir sobre o pós pandemia. Em parceria com o portal Mais Brasil, o evento online organizado pelo jornalista e pós graduando em marketing digital Wesley Mesquita (FAAP-SP) e pela artista e doutoranda Amanda Marques (PUC-SP), apresenta uma série de bate-papos com artistas e intelectuais das mais diversas áreas para somar na discussão sobre o “pós apocalipse”. Entre os dias 29 de Julho a 02 de Agosto, as lives-entrevistas acontecem no período da tarde, organizadas por dia e seus respectivos temas.

A partir disso, em conjunto, nos questionamos sobre: “e o que será de nós quando tudo isso acabar?”, e resolvemos oferecer cápsulas diárias para que, de maneira conjunta e coletiva, possamos pensar em como a vida será depois, se algo realmente de fato mudou ou mudará; como podemos aliviar as tensões dos nossos corpos, de onde podemos tirar um fio de esperança, e utilizar da música, da arte, e da literatura como fonte de ressignificação do dia a dia.

Começamos com um “esquenta” para o festival, lançando a hashtag #CápsulasApocalípticas que traz o depoimento de alguns internautas contando o que guardariam em uma cápsula do tempo caso o mundo acabasse, entre eles Rosana Hermann, Narcisa Tamborindeguy, Luiza Caspary, Pedro Palma, São Yantó e Salma Jô da banda Carne Doce.

A cantora Paula Lima estréia a abertura na quarta-feira (dia 29/07), em seguida acontece um bate-papo com a terapeura Katia Ananda (Santa Consciência). Na quinta-feira (dia 30/07) Rhaissa Bittar fala sobre as possibilidades da “vida depois” da pandemia. Sexta (dia 31/07) Mia Badgyal e Jup do Bairro falam sobre corpos não binários e transgressores.

Sábado (dia 01/08) a artista e escritora Cris Rangel (Editora Lyra das Artes) aborda o tema Produção Cultural e Políticas Públicas, em seguida Sarah Shrioder presta uma homenagem à memória da escritora e roteirista Fernanda Young. Para fechar o sábado, a Professora Maria Homem, compartilha um pouco de sua extensa pesquisa ao fazer uma leitura em homenagem ao centenário de Clarice Lispector, mostrando-nos como a literatura é importante em tempos tão sombrios.

Domingo (02/08), o último dia do festival recebe MC Tha e Alice Caymmi, falando sobre o artista independente em tempos de isolamento. O encerramento fica por conta da cantora Késia Estácio (Elza O Musical, Tá No Ar/TV Globo) com um pocket-show especial.

A primeira edição do web-festival aconteceu em março com Filipe Catto, Carne Doce, Prettos, Romero Ferro, Davi Bandeira, Ekena, Kastrup, Rafa Mon, Déborah dos Falsetes, entre outros. Confira o programa completo da segunda edição, e prepare-se para o “pós-apocalipse”:

PROGRAMA – Festival Live To Live

Mediador das lives: Wesley Mesquita (Jornalista)

Quarta – 29/07

Tema: Estar conectado o tempo todo supre nossas carências atuais, e depois?

15h – Abertura

17h – Paula Lima

19h – Katia Ananda (Santa Consciência)

Quinta – 30/07

Tema: Memória, mídias e a vida depois

15h – Sarah Shrioder homenageia Fernanda Young

17h – Rhaissa Bittar

20h – Bia Bem – Novos formatos de mídia

Sexta – 31/07

Tema: Transgressão do corpo como arte

15h – Mia Badgyal – Corpos não binários

17h – Jup do Bairro – Corpos Transgressores

19h – Amanda Marques – Performatividade e corpos (Im)possíveis

Sábado  – 01/08

Tema: Literatura como refúgio do caos

15h – Cris Rangel (Lyra das Artes) Produção Cultural e Políticas Públicas

17h – Karina Buhr –

19h – Maria Homem – 100 Anos de Clarice Lispector

Domingo – 02/08

Artista Independente x Isolamento Social

15h – MC Tha

17h – Alice Caymmi

19h – Késia Estácio (Pocket de encerramento)

MINI BIOS

Wes é jornalista (Universidade São Judas) e pós graduando em marketing digital (FAAP). Em 2017 criou a Agência O RAIO, e trabalha com nomes como Nelson Motta, Luciana Mello , Déborah dos Falsetes e Maria Homem. Entre os artistas que já trabalhou, estão Elza Soares, Liniker, francisco el hombre, Péricles, Alice Caymmi, Narcisa, Vera Fischer, entre outros. Circula com a palestra Jornalismo e Música na Era Digital (Belas Artes-SP, São Judas-SP, Festival REC N’ Play-PE) e em 2020 organizou o web-festival #LiveToLive em parceria com o portal Mais Brasil, que recebeu artistas como Filipe Catto, Carne Doce, Guilherme Kastrup e Rodrigo Funai Costa (Red Bull Station), entre outros.

Amanda é doutoranda em comunicação e semiótica (PUC-SP) mestre e formada pela mesma Universidade. Em 2019-2020 foi  contemplada com a bolsa de Doutorado Sanduíche, o que a levou para o Center University of New York (CUNY) em NY, no programa de Mulheres, Gênero e Sociedade sob orientação da Prof. Dra. Dana Ann-Davis. Participou da performance “Banho de Descarrego” promovida pelo Hemisferic Institute (NYU) em Nova Iorque, e atualmente trabalha em seu projeto pessoal artístico “corpo, memória e (im)possibilidades” baseado no Mito Grega de Perséfone, e em sua tese intitulada: “Movimentos Feministas: Uma Cartografia de Corpos Políticos e Intervenções Urbanas”

Mais notícias no Minuto Indie. Curta nossa página no Facebook.

Eduardo Da Costa

Eduardo Da Costa

Editor-chefe do site Minuto Indie. Graduado em jornalismo e pós-graduado em marketing digital e comunicação para redes sociais, amante de música, esportes, cinema e fotógrafo por hobby. Siga-me nas redes sociais: Facebook: duffnfedanfe; Instagram: nfedanfe; Twitter: _duffe; Last.Fm: duffhc3m; Pinterest: duffe_;

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: