REVIEW: Ellie Goulding está cintilando em azul; ouça Brightest Blue

REVIEW: Ellie Goulding está cintilando em azul; ouça Brightest Blue

A cantora inglesa que ficou um tempo fora dos holofotes voltou com um álbum mais pessoal e maduro

Ellie Goulding está de volta as paradas musicais com Brightest Blue! Conhecida por seus hits Burn de 2014 e Love Me Like You Do, que fez parte da trilha sonora de 50 Tons de Cinza em 2015, a cantora tinha o pop como sua marca registrada, mas seu novo incrível e impecável trabalho nos apresenta um novo lado dela. E que irá surpreender você.

Já curte o Minuto Indie no Facebook? Clique aqui!

O novo trabalho de Ellie estreou na última sexta-feira (17), e se divide em 2 partes; na primeira temos o Brightest Blue, um lado mais melancólico e bem inclinado para o R&B, com muito menos do pop. E a segunda versão foi batizada como EG.0, com o pop que ficou de fora do “lado a” e repleto de parecerias incríveis, as quais ela já tinha disponibilizada ao longo do ano passado para cá.

Na parte Brightest Blue podemos destacar as músicas: Power, que veio acompanhada de um vídeo produzido durante a quarentena; as canções How Deep Is Too Deep e Love I’m Given são as que mais apresentam esse lado R&B que combina demais com a voz de Ellie Goulding, e também deixam bem explicito o que a cantora queria transparecer em seu mais novo trabalho.

E a segunda parte do disco, a EG.0,  conta conta alguns singles que a cantora inglesa já lançados desde o ano passados. Músicas como Sixteen, Hate Me com o rapper Juice WLRD,  Worry About Me com blackbear, e Close To Me que conta com a participação de Diplo e Swae Lee formam o lado pop, e bem conhecido da cantora, nesse seu novo trabalho.

 

Para as duas versões de seu quarto álbum de estúdio, Ellie recrutou uma série de escritores e produtores para ajudá-la a criar o produto final, e nomes como Tobias Jesso Jr., Starsmith, ILYA, serpentwithfeet, Patrick Wimberly (do Chairlift), Jim Eliot, fazem parte da produção.

A cantora falou um pouco sobre como foi fazer a primeira metade do disco:

Ele reflete a minha vulnerabilidade… reconhece um mundo complexo onde os relacionamentos ainda ditam nossa felicidade e decepções, mesmo sendo a coisa mais dolorosa do mundo, não importa o quão iluminado você seja. As faixas também simbolizam crescer e se tornar uma mulher“.

Já sobre a segunda parte do disco ela ressaltou:

Ela encapsula meu lado confiante, corajoso e destemido e apresenta todas as minhas colaborações recentes. Muitas vezes me vejo escrevendo sobre meus pensamentos e emoções de uma maneira que sei que será cativante e memorável. Eu sempre vou procurar usar minha voz de maneiras que ninguém esperaria e sempre vou procurar colaborações com o grupo menos provável, emocionante e eclético de outros artistas“.

Fica mais do que evidente o quanto Ellie Goulding se reinventou com o Brightest Blue, e que esse lado novo dela precisa muito ser ainda mais visto e aproveitado. Ellie conseguiu afirmar que é muito mais mais do que uma compositora boa de hits, e que ela ainda tem muito o que nos mostrar. E nesse momento temos em mãos o álbum da carreira de Ellie Goulding.

 

ELLIE GOULDING – BRIGHTEST BLUE

 

MI NO YOUTUBE

Mais notícias no Minuto Indie. Curta o MI também no Facebook

Nathalia Oliveira

Nathalia Oliveira

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: