David Bowie morreu por suicidio assistido, afirma jornalista

David Bowie planejou todos os detalhes da própria morte, de acordo com a autora

A jornalista inglesa e autora de sua biografia Lesley-Ann Jones, que escreveu Hero: David Bowie, revelou em entrevista para a BBC (via Rolling Stone) que o músico teria optado por um suicídio médico assistido após lutar contra um câncer grave. Neste método, o paciente pede ao médico uma dose letal de medicamento. Segundo Lesley-Ann, diversos detalhes do procedimento são omitidos para “proteger” os familiares de Bowie. No qual, em diversos países, a prática é ilegal.

O suicídio médico assistido é diferente da eutanásia, já que neste caso é obrigatório que o paciente esteja lúcido e ciente de sua escolha — além de precisar comprovar que tem no máximo seis meses de vida. A prática é legal em países como a Holanda, Canadá, Bélgica, Colômbia, Suíça e alguns estados dos Estados Unidos.

Ela disse:

“Quem o auxiliou nessa missão e como isso foi feito jamais será revelado. Tenho certeza que ele não envolveu familiares e amigos para que eles ficassem protegidos”.

Até o momento desta publicação, a família do cantor ainda não se pronunciou.

Bowie estava perdendo sua  batalha contra o câncer. Faleceu no dia 10 de janeiro de 2016, dois dias após completar 70 anos de idade, mesmo dia em que lançou seu álbum derradeiro “Blackstar“.

Levando-se em conta que Bowie falecera exatamante no mesmo fim de semana em que completara 70 anos e seu disco-epílogo foi lançado, o fato de ter “tramado” a própria morte, faz total sentido.

Em seu videoclipe “Lazarus” percebemos que a ideia já pairava nos pensamentos do cantor.

Fique com o eterno Bowie:

Último vídeo do canal Minuto Indie:

Deixe uma resposta