Banda CONGO BLUE lança websérie sobre orgulho LGBTQ+

“Assim, Simplesmente” conta a história de pessoas reais que lutam por visibilidade no Brasil

Muita luta e história aconteceram para que o mundo pudesse celebrar conquistas dos LGBTQ+. O movimento tem como uma de suas premissas a celebração da diversidade para incentivar o fato de que a identidade de gênero e a orientação sexual são inerentes a cada indivíduo. Para simbolizar a trajetória, a banda CONGO BLUE estreou a websérie Assim, Simplesmente nessa sexta-feira (05), com episódios semanais para dar voz a pessoas que ainda lutam pela sua liberdade e visibilidade.

Assim, Simplesmente surgiu a partir da gravação do clipe da banda, Simplesmente Assim (https://youtu.be/Tw9SC6cY26A), lançado em maio no Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia. O clipe traz pessoas reais transformando mensagens de ódio que marcaram suas vidas em uma atitude de resistência e união, dando um novo significado de esperança. No backstage das gravações, os participantes já começaram a trocar experiências. “A gente achou incrível essas pessoas tão diferentes compartilhando suas histórias, foi um papo muito rico que precisávamos mostrar para o mundo todo”, conta o vocalista Pedro Palma.

Websérie

Quem irá estrear a websérie será Tchaka Drag Queen, apresentadora oficial da Parada LGBTQ+ de São Paulo. A carreira da personagem, feita pelo ator Valder Bastos, completa 14 anos com mais de 4.000 apresentações em eventos pelo país. O episódio acompanha um dia na vida de Tchaka, mostrando a organização e realização do Coreto das Drags, na Virada Cultural paulista. Outros nomes já foram escalados para os próximos episódios, como Luca Scarpelli, Ariadne Ribeiro e o próprio vocalista da banda, Pedro Palma. O objetivo é que todos possam se empoderar juntos e incentivar o público a também mostrarem sua verdade para o mundo.

A música inspiração para a websérie teve composição de Pedro Palma e produção de Paulo Vaz, da banda Supercombo. A canção chegou como uma urgência no momento atual, no país que mais discrimina e mata pessoas LGBTs no mundo. É essencial que aconteça o debate a favor da luta pelo reconhecimento da existência e proteção dessa minoria em meio à tanta violência. Em um pop rock animado, a canção diz: “Meu coração já não precisa mais dizer ‘não’. Nada vai me impedir de seguir minha direção”. A banda veste a bandeira para passar uma mensagem de otimismo e empatia. “É uma maneira de dizer que tá tudo bem ser quem você é. Mostrar que as diversas formas de amor existem e que isso não é um problema. Essa é uma luta de todos nós! É a nossa forma de combater toda essa violência e ódio que vemos diariamente”, diz Pedro.

SOBRE CONGO BLUE

Base de entrada da CONGO BLUE para o meio musical, o EP Fundamento foi lançado em 2018 e contou com a produção de Martin Mendonça e Duda Machado da banda Pitty. “Esse disco é para questionar o nosso comportamento, atitudes e o jeito que a sociedade olha para gente. Estamos aqui para desestabilizar, incomodar e fazer pensar. Isso que acontece quando se questiona a ‘base’, ou seja, o ‘Fundamento’. Nosso objetivo é fazer com que as pessoas se questionem e saiam do comodismo”, conta Palma. O grupo é composto por Pedro Palma (Vocal), Matheus Reis (Guitarra), Jeferson Elias (Guitarra) e Bruno Vila Nova (Baixo).

Facebook: facebook.com/congoblueoficial

Instagram: @congoblueoficial

YouTube:https://bit.ly/2j4UKLM

CONGO BLUE

Mais notícias no Minuto Indie.

Deixe uma resposta