Álvaro Dutra lança novo EP, BSB-SP, narrando sua mudança de Brasília para São Paulo

Álvaro Dutra lança novo EP, BSB-SP, narrando sua mudança de Brasília para São Paulo

O segundo EP do artista vem com três faixas que conversam entre si do início ao fim, e que contam uma narrativa interessante do ponto de vista do nativo e do estrangeiro, ambos na mesma pessoa e em terras diferentes

Álvaro Dutra é um cantor e compositor brasiliense que decidiu se aventurar por terras paulistas, iniciar uma nova fase na carreira da música e está agora com um novo EP. Ex-integrante das bandas “Pulso” e “Dissonicos”, o artista participou da composição das letras do mais recente álbum da banda Dead Fish, “Ponto Cego“, e optou por seguir carreira solo em 2020. Seu ano começou com o lançamento do EP “Começo”, com duas faixas, e desembocou, em março, para o BSB-SP, novo EP com três faixas que narram sua mudança da capital federal para a caótica terra da garoa. 

OUÇA BSB-SP, NOVO EP DE ÁLVARO DUTRA, AQUI:

As sonoridades foram produzidas por uma equipe composta de amigos do artista: Fabrício Paçoca (bateria e guitarra), Isadora Pina (sax), Liliane Santos (trombone), Rafael Rezende (teclado) e Tom Suassuna (violino). Álvaro assumiu violão, baixo e voz. A produção e gravação técnica ficaram à cargo de Pedro Tavares, do 1234 Recording Studios.

Álvaro Dutra durante gravação do EP BSB-SP.
Álvaro Dutra durante gravação do EP BSB-SP. 2019. Foto: Bianca Martim.

O estilo do artista é, à primeira impressão, dançante. A pegada Motown (combinação de blues e pop, ou ritmos gospel e harmonia de balada moderna), com teclado animado e sopros evidenciam o estilo do seu espírito musical. No novo EP, BSB-SP, o músico descarregou todas as suas influências do folk e country brasileiros e norte americanos; além de reflexões, amarguras, expectativas e felicidades de sua vida pessoal. Brasília, a primeira faixa, traz um folk com pitadas de rock. Aqui o cantor escolhe apresentar para o ouvinte sua terra de origem, descrevendo as paisagens típicas: “as quadras” ou o “imenso céu azul” até suas prováveis frustrações com a cidade: “Eu não quero ser um funcionário público/ Quero acreditar que há mais no mundo/ Mas Brasília é assim”.

Mas não se engane, ele abre a faixa seguinte, Náufrago, com: “Não me interprete mal/ Brasília mora no meu coração/ E devo tudo que eu sou a ter crescido aqui/ Com os amigos que entendem minha aflição”. Cantando as limitações e o solo seco que vê na cidade, Álvaro exprime aquela sensação de que tudo na vida tem um tempo, uma época, uma passagem, e da importância do movimento. E que é chegada a hora de novos ares: “não há vida sem tentar”.

Álvaro Dutra durante gravação do EP BSB-SP.
Álvaro Dutra durante gravação do EP BSB-SP. 2019. Foto: Bianca Martim.

Por fim, em Risco, o compositor encerra o novo EP com sua mudança para a grande metrópole e uma melancolia a mais. A união de violino e sopros aumenta a sensação de distância e despedida. Mas ressalta, nas palavras, a imponderância e atração que sente pelas cidades grandes e o movimento constante. “Há algo em meio ao caos que faz o meu coração dançar mais/ Brasília é bonita e arborizada/ Com uma calma que as vezes me irrita/ Preciso de ação, de ter muita opção/ Não só de paz”.

O que parece, ao menos pra mim, é que não se pode ouvir essa músicas isoladas umas das outras. Assim como no álbum “Recomeçar”, de Tim Bernardes, em BSB-SP, Álvaro Dutra conta uma história com fases distintas, muitos sentimentos emaranhados entre si e o desejo ardente de recomeçar. Aparece, também, o dilema entre o conforto e a mudança difícil mas satisfatória. Os sentimentos são conhecidos da existência humana, mas o jeito que cada um conta é a grande sacada. Eu, particularmente, acho genial esses discos com a mesma pegada do início ao fim, e que, essa parte importa muito, não cansam os ouvidos. Parabéns, Álvaro, deu pra pescar o que você tá sentindo.

OUÇA “NÁUFRAGO”

Mais notícias você encontra no Minuto Indie. Curta nossa página no Facebook.

Amanda Prado

Amanda Prado

Jornalista que curte música brasileira em níves estratosféricos.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: